Cloroquina até agora não se mostrou eficaz, diz OMS sobre o Brasil
20/05/2020 15:51

O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, disse nesta quarta-feira (20) que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar efeitos colaterais e que não têm eficácia comprovada no tratamento da Covid-19. Ele também afirmou que as substâncias só devem ser usadas contra a Covid-19 em ensaios clínicos.

"Todas as nações, particularmente aquelas com autoridades reguladoras, estão em posição de aconselhar seus cidadãos sobre o uso de qualquer droga. Entretanto, sobre a hidroxicloroquina e a cloroquina, que já são licenciadas para muitas doenças, eu diria que, até esse estágio, nem a cloroquina nem a hidroxicloroquina têm sido efetivas no tratamento da Covid-19 ou nas profilaxias contra a infecção pela doença. Na verdade, é o oposto", disse Ryan.

"Muitos avisos foram emitidos por muitas autoridades sobre os efeitos colaterais potenciais das drogas. E muitos países limitaram o uso dela para ensaios clínicos, sob supervisão de médicos em hospitais — especificamente para a Covid-19, por causa de um número de efeitos colaterais potenciais que ocorreram e podem ocorrer. Dito isso, novamente, cabe a cada autoridade nacional avaliar as evidências a favor e contra essa droga", completou.

As declarações foram feitas depois de a entidade ser questionada sobre o documento divulgado pelo governo brasileiro. Com o título "Orientações do Ministério da Saúde para tratamento medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19", o governo recomenda no texto que os medicamentos sejam usados no tratamento contra a doença desde o primeiro dia de sinais e sintomas, apesar de não haver evidências científicas de que eles funcionem. As substâncias são normalmente usadas contra a malária e doenças autoimunes, como o lúpus.

"Nós temos agora ensaios [clínicos] do Solidarity [iniciativa internacional em busca de tratamentos para a Covid-19] em vários países, nos quais a cloroquina e a hidroxicloroquina estão incluídas. Como OMS, nós recomendamos que, para a Covid-19, essas drogas sejam reservadas para uso dentro desses ensaios", afirmou Ryan.

Mais de 3 mil pacientes estão cadastrados em ensaios clínicos em 17 países, segundo a OMS.

O que diz o protocolo que libera cloroquina para casos leves no SUS

O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (20/05) o novo protocolo para o uso de cloroquina e hidroxicloroquina para covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus.

Até então, a pasta recomendava esses medicamentos apenas para casos graves, quando médico e paciente concordam com o tratamento.

As novas regras ampliam seu uso também para os casos leves no Sistema Único de Saúde (SUS), mantendo a necessidade de autorização.

A indicação vai contra a posição atual da Sociedade Brasileira de Infectologia e da Sociedade Brasileira de Imunologia, que não recomendam o uso destas drogas. O Conselho Federal de Medicina condiciona isso ao critério médico e ao consentimento do paciente.

De acordo com as evidências mais sólidas existentes até agora, a cloroquina e a hidroxicloroquina não têm influência sobre a mortalidade de pacientes por covid-19.

O anúncio de novas recomendações sobre a cloroquina e a hidroxicloroquina já era esperado após a saída de Nelson Teich do comando do Ministério da Saúde na sexta-feira passada.

A pressão por parte do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para que seu uso fosse estendido para todos os pacientes com covid-19, independentemente da gravidade do caso, foi apontada como um dos motivos que levaram Teich a deixar a pasta, hoje sob o comando interino do general Eduardo Pazuello.

O tema da cloroquina também foi, junto com as medidas de distanciamento social, um dos motivos do desgaste do também ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta com Bolsonaro.

Mandetta se recusou a indicar seu uso mais amplo sem que houvesse evidências científicas sólidas de que isso era eficaz e seguro.

O novo protocolo destaca isso e exige que o paciente confirme estar ciente de que "não há garantia de resultados positivos".

O doente é informado de que "não há estudos demonstrando benefícios clínicos" e o tratamento envolve o risco de ter graves efeitos colaterais que podem piorar sua condição, provocar sequelas temporárias ou permanentes, prolongar sua internação e até mesmo matar.

Uso é combinado com antibiótico

O protocolo sobre o "tratamento precoce" de pacientes adultos com diagnóstico de covid-19 recomenda o uso da cloroquina ou do sulfato de hidroxicloroquina nos cinco primeiros dias depois de aparecem os sintomas da doença.

O período de tratamento é o mesmo da norma anterior, mas agora o protocolo recomenda o uso combinado de azitromicina, um antibiótico.

Também foi alterada a chamada dose de ataque da cloroquina e da hidroxicloroquina. Essa quantidade maior do medicamento é normalmente administrada no início do tratamento de uma doença infecciosa, como a covid-19, para que haja logo de partida uma quantidade suficiente da droga no corpo para combater um micro-organismo.

No novo protocolo, a dose de ataque foi reduzida pela metade: passou de 900 mg para 450 mg de cloroquina e de 800 mg para 400 mg de hidroxicloroquina.

Além dessas drogas, será mantido o tratamento convencional para a covid-19.

Tratamento será feito mesmo sem internação hospitalar

O protocolo anterior recomendava o uso destes medicamentos só em pacientes hospitalizados em estado grave e aqueles em estado crítico.

As novas regras indicam o tratamento para os casos leves, sem que seja necessária a internação.

A possibilidade de internação deve ser avaliada se o sinais da doença forem moderados, o que inclui tosse e febre diária persistentes, tosse persistente com a piora progressiva de outros sintomas da covid-19, como fraqueza, prostração, falta de apetite e diarreia, ou a presença de qualquer um destes sintomas anteriores junto com algum outro fator de risco, como ter uma doença crônica, imunidade reduzida ou mais de 60 anos de idade.

O paciente deve ser hospitalizado quando tiver sintomas graves, apontados no protocolo como falta de ar ou pressão baixa.

O Ministério da Saúde aponta no documento que "ainda não há meta-análises de ensaios clínicos multicêntricos, controlados, cegos e randomizados que comprovem o benefício inequívoco destas medicações".

Mas ressalta que elas são usadas em "diversos protocolos" e têm "atividade in vitro demonstrada contra o coronavírus".

Isso quer dizer que os resultados foram positivos apenas em laboratório, mas ainda não há testes em humanos que apontem que essas drogas funcionam. "Assim, fica a critério do médico a prescrição", diz o documento.

Paciente deve assinar termo de consentimento

O paciente também precisa assinar um termo de consentimento para autorizar o tratamento.

O documento informa que essas drogas são usadas para o tratamento de malária e doenças reumáticas, como artrite reumatóide e lupus e que "investigadores chineses" demonstraram em testes feitos em laboratório que elas inibem a replicação do coronavírus.

Enfermeira cuida de paciente na UTI em hospital em GuarulhosDireito de imagemREUTERS
Image captionProtocolo libera uso da droga mesmo sem internação

Aponta também que "um estudo francês mostrou que a eliminação do coronavírus da garganta" de pacientes com covid-19 ocorreu "de forma mais rápida" com a combinação destes medicamentos com a azitromicina.

"Entretanto, não há, até o momento, estudos demonstrando melhora clínica dos pacientes com covid-19 quando tratados com o hidroxicloroquina", afirma o termo.

O paciente ainda é informado que a cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar efeitos colaterais, como redução dos glóbulos brancos, disfunções do fígado e cardíacas, e danos à retina.

Ao assinar o documento, o paciente diz que aceita correr estes riscos "por livre iniciativa". O documento também deve ser assinado pelo médico responsável pelo tratamento.

Condições e contraindicações

O protocolo afirma ainda que o uso destas medicações deve ser feito após uma avaliação médica em unidades de saúde e que, além dos testes clínicos para o diagnóstico, deve ser feito um exame laboratorial ou radiológico.

Grávidas não devem fazer esse tratamento, assim como pessoas que desenvolvam algum problema na retina ou mácula com uso destas drogas ou que tenham miastenia grave (uma doença autoimune neuromuscular).

O protocolo diz que crianças devem ser tratadas com hidroxicloroquina, por causa do risco dos efeitos tóxicos da cloroquina.

Também é recomendada "precaução" no uso da cloroquina por quem tem doenças cardíacas, hepáticas ou renais, hematoporfiria e doenças mentais.


Com informações G1 e BBC News

RUA DESEMBARGADOR MOTA, S/N - BAIRRO MONTE CASTELO/TERESINA-PI / CEP 64016-270 - TELEFONE (86) 3326 2300. Copyright © 2019 - TV Assembleia - Assembleia Legislativa do Piauí